Home / Estado

Estado

Ações para bacias do Itapecuru e Mearim são destaques da agenda da Codevasf no Maranhão

Ações que beneficiam as bacias dos rios Itapecuru e Mearim marcam no Maranhão a agenda da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) em celebração ao Dia Mundial da Água. Dois convênios com a Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), que totalizam um investimento de R$ 5 milhões, terão seu plano de trabalho assinado pela presidente da Companhia, Kênia Marcelino, durante o seminário “Revitalização dos Rios Maranhenses e Suas Nascentes” em São Luís, nesta sexta-feira (24), a partir das 9h30 horas, no auditório da Federação das Indústrias do Maranhão (Fiema).

Os instrumentos resultarão na elaboração do Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Itapecuru e na aquisição de equipamentos e construção de uma Estação de Monitoramento de Águas. Um dos convênios firmados, que visa à elaboração do Plano de Recursos Hídricos da Bacia, tem valor de R$ 1,5 milhão. Planos de recursos hídricos são instrumentos previstos na Lei das Águas e que têm o objetivo de definir ações estratégicas para a gestão desses recursos – como programas, projetos e obras e investimentos prioritários.

“Esses documentos devem ter em perspectiva os múltiplos usos da água, e são elaborados com a participação de órgãos governamentais, sociedade civil e representantes de usuários e instituições gestoras – eles delineiam ações de curto, médio e longo prazos, baseadas em diagnósticos e projeções de usos da água”, afirma a presidente Kênia Marcelino.

O segundo convênio firmado entre Codevasf e UEMA tem valor de R$ 3,5 milhões e prevê a construção de uma Estação de Monitoramento de Águas na Bacia do Itapecuru; o investimento também permitirá a aquisição de equipamentos para a estação. A estrutura auxiliará na avaliação contínua da qualidade das águas superficiais da Bacia, essencial para a gestão sustentável dos recursos hídricos e para o controle da poluição.

“A estação vai contribuir para o monitoramento da qualidade das águas superficiais, algo essencial para uma gestão sustentável dos recursos hídricos e para o eficiente controle da poluição”, explica o superintendente regional da Codevasf no Maranhão, Jones Braga.

Além disso, a Codevasf vai elaborar um levantamento dos passos críticos de assoreamento no rio Itapecuru para subsidiar o planejamento futuro de ações de recuperação e controle de processos erosivos.

“Essa análise será fundamental para orientar trabalhos que visem à realização de eventuais dragagens futuras para captação de água para abastecimento humano e para navegação ou travessias”, explica a chefe da Unidade de Meio Ambiente da Codevasf no Maranhão, Éricka Cunha.

Paralelo a esse trabalho, a Codevasf irá elaborar um diagnóstico das Lagoas Marginais do Rio Itapecuru, visando ao planejamento e à execução de futuras ações de preservação e de recuperação destes berçários naturais.

Também está em andamento, pela Codevasf, o Grupo Técnico de Trabalho para elaboração dos Planos Nascentes do Itapecuru e do Mearim, os quais visam propor intervenções para preservação e recuperação das nascentes dessas bacias.

Bacia do Rio Itapecuru

A Bacia do Rio Itapecuru nasce no Parque Estadual do Mirador, no centro sul do Maranhão, e tem superfície total de 53 mil km², o que corresponde a 16% da área do estado; mais de um milhão de pessoas vivem na região. Entre os múltiplos usos dos recursos hídricos da Bacia, destacam-se o abastecimento de municípios da região, a dessedentação animal, a irrigação, a agricultura de vazante e a recreação.

O Rio Itapecuru banha 57 municípios maranhenses e é responsável pelo abastecimento de aproximadamente metade da capital São Luís e ainda de outros 37 municípios. Os principais afluentes do Itapecuru, que deságua no Atlântico, são os rios Alpercatas, Corrente, Pericumã, Santo Amaro, Itapecuruzinho, Peritoró, Tapuia, Pirapemas, Gameleira e Codozinho.

A área de atuação da Codevasf passou a incluir a Bacia do Rio Itapecuru no ano de 2010, com a entrada em vigor da Lei nº 12.196.

ONU foca no tema “Águas residuais”

Mais de um quarto das mortes de crianças com menos de cinco anos, em todo o planeta, são causadas por fatores ambientais como poluição, falta de saneamento e uso de água imprópria para o consumo. Anualmente, 1,7 milhão de meninos e meninas nessa faixa etária, em todo o mundo, morrem porque vivem em locais insalubres. Os dados são da Organização Mundial da Saúde (OMS) – braço da Organização das Nações Unidas (ONU).

Ainda segundo a ONU, mais de 80% do esgoto produzido pelos seres humanos volta à natureza sem ser tratado. Para beber, cerca de 1,8 bilhão de pessoas usam fontes de água contaminadas por fezes, o que as coloca em risco de contrair cólera, disenteria, febre tifoide e poliomielite. Atualmente, há mais de 663 milhões de pessoas sem acesso a fontes de água potável perto de onde moram.

Para reverter esse cenário e garantir a utilização sustentável dos recursos hídricos, as Nações Unidas chamam governos, o setor privado e a sociedade civil a se mobilizarem contra o desperdício de água. Feito por ocasião do Dia Mundial da Água, lembrado em 22 de março, o apelo da ONU convoca países a implementarem políticas eficazes de saneamento, além de solicitar mudanças de hábito a todos os habitantes do planeta Terra.

A organização internacional aponta que as chamadas águas residuais – recursos hídricos utilizados em atividades humanas, tornando-se impróprios para o consumo – podem ser reaproveitadas na indústria, em setores que não precisam tornar a água potável para utilizá-la como insumo. É o caso de sistemas de aquecimento e resfriamento.

ASCOM

Dia Mundial da Água: o Maranhão tem muito o que comemorar

O Dia Mundial da Água é comemorado em 22 de março desde o ano de 1993. Essa data busca a conscientização a respeito da importância da água para os seres vivos. O Estado do Maranhão tem muito o que comemorar nessa data.

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais (SEMA) luta diuturnamente para a melhor gestão das águas no Estado, por meio de vários projetos e ações. Um exemplo é a criação dos Comitês de Bacia Hidrográfica. O Estado do Maranhão possui dois comitês, o do Rio Mearim e do Rio Munim. Os Comitês são colegiados formados por representantes da sociedade civil organizada, usuários de água e representações do poder Público. Tem entre suas atribuições promover debates relacionados com os recursos hídricos, articular a atuação das entidades, propor planos, programas e projetos para a utilização de recursos hídricos da respectiva bacia hidrográfica. Em andamento estão os dos rios Itapecuru, Balsas, Preguiças e Parnaíba. Este último em parceria com os estados do Piauí e Ceará.

Além, disso a Secretaria trabalha firme na inspeção dos rios, objetivando examinar vários aspectos, tais como: as dificuldades da navegação, matas ciliares, lançamentos de efluentes, captações diretas e extrações de areia, além de diversos outros olhares.

E para melhor gerir a água, o Estado aderiu a dois programas da Agência Nacional das Águas (ANA). O Programa de Consolidação do Pacto Nacional pela Gestão das Águas (Progestão) e Programa de Estímulo à Divulgação de Dados de Qualidade de Água (Qualiágua).

Neste ano a SEMA deu início ao Plano Estadual de Recursos Hídricos. O Plano delineará estratégias de curto (cinco anos), médio (dez anos) e longo prazo (vinte anos) para assegurar os usos múltiplos das águas, conservação, proteção e recuperação das bacias hidrográficas estaduais, além de subsidiar a tomada de decisões dos membros do Sistema Estadual De Gerenciamento Integrado De Recursos Hídricos.

O Estudo Hidrogeológico da Região Metropolitana de São Luís – Subsídios para o Uso Sustentável dos Recursos Hídricos. Uma outra ação importante na preservação das águas. “A elaboração do estudo do levantamento das águas dos subsolos é de extrema importância e auxiliará o Governo do Estado na gestão dos recursos hídricos da Grande Ilha, pois pretende fornecer os subsídios necessários para a continuidade da gestão das águas futura e atual da Ilha”, explicou o Secretário de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais, Marcelo Coelho.

Além de tudo isso, tem o monitoramento e medição da qualidade de água das praias de São Luís e São José de Ribamar. São 21 pontos acompanhados semanalmente, localizados nas praias de Ponta d’Áreia, São Marcos, Calhau, Praia do Meio, Olho d’Água e Aracagy.

“São ações importantes para o fortalecimento da gestão das águas no Estado”, finalizou o gestor.

Escolas destruídas, paredes pinchadas e janelas quebradas”, denuncia deputado Wellington sobre educação em São Luís

O deputado estadual Wellington do Curso (PP) apresentou hoje, 21, graves denúncias sobre a situação precária em que algumas escolas de São Luís estão. O posicionamento do professor e deputado Wellington é em virtude de reclamações de pais de alunos e de professores da Unidade de Ensino Básico Prof Nascimento de Moraes e Prof Mata Roma, duas escolas da Cidade Operária.

“Meu filho tá em uma sala que mais parece uma cela de cadeia: toda pinchada, suja, sem ventilação e tudo quebrado. Só estuda aqui porque eu não tenho como pagar uma escola de qualidade”, desabafou a mãe de Jhonatas, de apenas 08 anos.

Enquanto membro da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa, Wellington ouviu as reivindicações de pais e constatou a precariedade das escolas.

“Quem é responsável por reformar escolas é a Prefeitura de São Luís. Hoje, visitei uma das principais escolas públicas da Cidade Operária. A Escola Profº Nascimento de Moraes atende, mais ou menos, 500 alunos. O que encontramos foram salas sujas, sem ventilação e pinchadas; além de cadeiras quebradas, teto rachado e janelas despedaçadas. Isso é uma escola? É essa a atenção que a Prefeitura dá à educação em nossa São Luís?”, disparou o professor Wellington.

O deputado Wellington destacou ainda a situação da Unidade de Ensino Básico Profº Mata Roma, também na Cidade Operária.

“Infelizmente, essa situação não é exclusiva da escola Profº Nascimento de Moraes. Ao atravessarmos a avenida, a menos de 100 metros, encontramos a escola Profº Mata Roma, também municipal. Lá também vemos o abandono e o descaso com a educação pública em São Luís”, disse Wellington.

A denúncia feita pelo deputado Wellington será encaminhada ao Ministério Público para que adote as providências. Em relação à Prefeitura de São Luís, Wellington disse que aguarda um posicionamento em caráter de urgência.

Dia Mundial da Água: Ações da Codevasf promovem uso sustentável dos recursos hídricos

Nesta quarta-feira (22) celebra-se o Dia Mundial da Água, data instituída pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) em 1993. O dia é saudado anualmente por gestores e membros do corpo técnico da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), instituição que tem a água como eixo condutor de suas ações.

“A Codevasf é uma empresa pública cuja missão é promover desenvolvimento nas regiões em que atua. Água de qualidade é o ingrediente fundamental para que possamos cumprir essa missão institucional. O pensamento do corpo técnico e dos gestores da empresa está sempre direcionado para a proteção da água, para seu uso sustentável e para a ampliação do número de pessoas com acesso a ela para múltiplos usos”, afirma Kênia Marcelino, presidente da Companhia.

Neste ano, o tema do Dia Mundial da Água é “Águas residuais” – o termo designa os recursos hídricos que após serem utilizados em alguma atividade humana deixam de ser próprios para consumo, mas que podem ser tratados para reaproveitamento ou para adequada reabsorção pela natureza. Segundo a ONU, mais de 80% do esgoto produzido no mundo volta à natureza sem ser tratado e cerca de 1,8 bilhão de pessoas usam fontes de água contaminadas por fezes.

Nesse contexto, a Codevasf tem envidado constantes esforços para preservar a água das áreas em que atua. Desde 2007, a empresa investiu mais de R$ 1,3 bilhão na implantação de sistemas de esgotamento sanitário e ligações domiciliares de coleta apenas em municípios da Bacia do Rio São Francisco. Ao todo, 90 sistemas tiveram obras concluídas: 85 na Bacia do São Francisco e 5 na Bacia do Rio Parnaíba.

Eficiência do tratamento de esgoto

Os sistemas de esgotamento sanitário que já encontram-se em operação na Bacia do São Francisco estão localizados em municípios de Minas Gerais, Bahia, Pernambuco e Alagoas e beneficiam diretamente mais de 600 mil pessoas. Os benefícios do saneamento, entretanto, transcendem as áreas cobertas diretamente pelos sistemas. A contenção de um foco de contaminação repercute positivamente na saúde de todo o rio, assim como de toda a população que depende dele.

A eficiência do tratamento de esgoto dos sistemas de esgotamento que estão ativos na Bacia do São Francisco é de cerca de 90%. O cálculo é baseado na Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO5) dos esgotos dos municípios. A DBO5 é o indicador da quantidade de oxigênio necessária para que ocorra a degradação da matéria orgânica que compõe os esgotos. Assim, atualmente a demanda de oxigênio para que o efluente tratado pelos sistemas seja diluído e totalmente degradado pelos corpos d’água é expressivamente inferior ao que seria necessário caso não existissem esses sistemas.

Os sistemas de esgotamento implantados pela Codevasf são compostos por estruturas como redes coletoras, ligações prediais e estações elevatórias e de tratamento. Entre os benefícios associados aos sistemas destacam-se a minimização de focos de doenças e a despoluição do subsolo e de corpos hídricos.

“A Codevasf, como parte do Governo Federal, é criteriosa na fiscalização e na entrega das obras de sistemas de esgotamento sanitário. São obras de fundamental importância para a saúde das populações atendidas. Como elas geram custos ao cidadão, por vezes o prefeito necessita de um planejamento para receber o empreendimento. Assim, além dos aspectos técnicos sobre águas residuais, também precisamos discutir aspectos políticos e sociais envolvidos na questão, para aumentar continuamente a eficácia do processo de entrega das obras aos municípios”, avalia Inaldo Guerra, diretor da Área de Revitalização de Bacias Hidrográficas da Codevasf.

Outras ações

Além do tratamento de esgotos, os trabalhos da Companhia voltados para a conservação dos recursos hídricos e para a garantia de acesso a esses recursos pela população incluem instalação de cisternas para captação de água da chuva em benefício de famílias desassistidas em áreas rurais; instalação de barragens de pequeno porte para dessedentação de animais; implantação de sistemas de abastecimento de água e realização de obras e projetos de controle de processos erosivos e gestão de resíduos sólidos. Mais de R$ 1,85 bilhão foram investidos pela Codevasf desde 2008 em ações dessa natureza na Bacia do São Francisco.

O trabalho de recuperação ambiental e controle de processos erosivos é realizado por diferentes métodos: revegetação; cercamento e proteção de nascentes, matas ciliares e topos de morro; e readequação de estradas vicinais e estabilização de margens, entre outros. Uma das principais finalidades dessas ações é captar e acumular águas pluviais, aumentando assim sua infiltração no solo e promovendo o abastecimento dos lençóis freáticos. As ações também ajudam a reduzir o escoamento superficial da água, o que evita o arraste de sedimentos, o empobrecimento do solo e o assoreamento dos cursos d’água.

“A conservação da água, a proteção dos mananciais e o uso racional, sustentável e consciente dos recursos hídricos, assim como a proteção da vegetação e do meio ambiente como um todo, são responsabilidades que cabem a todos. Individual e coletivamente todos podemos somar esforços para que a água seja aproveitada em todo o seu potencial, a custos acessíveis, pelo maior número possível de pessoas”, frisa a presidente da Codevasf.

Dia Mundial da Água

O Dia Mundial da Água é celebrado anualmente sob a coordenação da Organização das Nações Unidas. O objetivo da data é atrair a atenção de governos, de setores produtivos e da sociedade civil para a necessidade de ações de proteção dos recursos hídricos e de promoção de amplo acesso a água limpa.

De acordo com a ONU, atualmente mais de 663 milhões de pessoas no mundo vivem sem uma fonte segura de água próxima de casa. A cada ano, 842 mil mortes são causadas por falta de saneamento e higiene, bem como pelo consumo de água imprópria. Dados divulgados neste mês pela Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam que a cada ano 361 mil crianças de até cinco anos morrem por diarreia porque não têm acesso a água potável, esgoto e higiene.

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, lançados em 2015, incluem entre suas metas globais assegurar até 2030 a melhoria da qualidade da água com medidas como redução da poluição, diminuição da proporção de águas residuais não-tratadas e aumento substancial da reciclagem e do reuso seguro da água.

Miranda do Norte: prefeito Negão e lideranças recebem senador Roberto Rocha

O senador Roberto, em visita a vários municípios maranhenses, esteve em Miranda do Norte neste sábado, 18/03, ocasião em que foi recebido na prefeitura municipal elo prefeito Negão, vereadores, secretário municipais e lideranças  do município.

Em reunião, foram  tratados diversos temas, entre eles investimentos na área de água e esgoto, com agravo para o drama no abastecimento de água deficitário vivido pela população, que se agrava com o crescimento da cidade.

Roberto Rocha ouviu atentamente a solicitação das lideranças, informando , em seguida sobre a existência de recursos na Fundação Nacional de Saúde – FUNASA, no valor de 16 milhões, e se prontificou a buscar soluções, colocando o seu gabinete à disposição.

A vereadora Cristiane solicitou agendamento para reunião do senador com  representantes locais para tratar de mais questões de interesse da população do município, ao que o senador prontamente  disponibilizou os contatos do seu gabinete.

Universitário de Timon se classifica para a final nacional do “Desafio Universitário Empreendedor”

O final de semana foi de imersão total na temática do empreendedorismo para 36 universitários que participaram da semifinal estadual maranhense do Desafio Universitário Empreendedor – Ciclo 2016. Desse total, quatro sagraram-se campeões da competição que o Sebrae realiza há 16 anos para estimular o empreendedorismo no ambiente universitário por meio de atividades educacionais, jogos de negócio e simuladores, sendo integrado ao Programa Nacional de Educação Empreendedora da instituição.

Após vencerem a semifinal estadual, Mayane Conceição e Emilly Martins (Ciências Contábeis/Ufma), Betiane de Jesus Silva (Administração/Ufma) e João Pedro de Oliveira (Administração/Uema-Timon) formarão a equipe Maranhão que irá participar da etapa nacional, no período de 7 a 14 de abril, em Brasília. Os competidores, que ganharam troféu e um smartphone cada, participarão de atividades vivenciais, vinculadas aos princípios do empreendedorismo, gestão, mercado e inovação, juntamente com os finalistas de todos os estados brasileiros, uma experiência já aguardada com ansiedade pelos nossos campeões.

Participante pela primeira vez do Desafio, João Pedro de Oliveira, graduando em Administração da Uema, Campus Timon, é um entusiasta do empreendedorismo. Inspirado pelo pai e pela coragem de uma tia que se mudou para São Paulo apenas com a perspectiva de vencer na vida e conquistou o seu lugar ao sol no meio empresarial da maior cidade da América Latina, o jovem acadêmico de 19 anos diz que não consegue conceber sua vida desconectada do verbo empreender.

“Acredito no que o meu pai sempre me dizia, quando eu perguntava como ele conseguia vender suas peças de artesanato: Filho, a pessoa só não ganha dinheiro se não quiser; se você tiver disposição e vontade para vencer, você consegue ir além. Então, eu acredito, que as boas ideias podem se tornar ótimos negócios e o Sebrae tem sido um grande propagador dessa verdade, ajudando milhões de pessoas em todo o Brasil a fazer de seus sonhos uma realidade”, atestou.

Homenagens: IES e professor mais indicado

Também receberam o troféu do Desafio Universitário Empreendedor, a Faculdade Pitágoras, de São Luís, como Instituição de Ensino Superior (IES) com maior número de inscrições no ranking acumulado (histórico) e a Faculdade São José dos Cocais, de Timon, com maior número de inscrições no Ciclo 2016.

O professor Wilson Nascimento (Faculdade São José dos Cocais, Timon), foi o mais indicado pelos universitários no Ciclo 2016, assim como no ranking histórico. “Esse ano tornamos o Desafio uma atividade interdisciplinar do curso de Ciências Contábeis da Faculdade e obtivemos um ótimo desempenho: dos 40 semifinalistas, oito foram de nossa instituição, mas apenas quatro quiseram participar dessa etapa presencial”, coloca o docente da disciplina Trabalho Interdisciplinar Dirigido.

Para o Sebrae as experiências dos universitários por si só já validam o jogo. “Com o Desafio, o nosso objetivo é fazer a percepção dos participantes expandir-se para que possam observar e perceber o mercado e as oportunidades, buscar soluções dentro de suas áreas de conhecimento e fazer disso um negócio real, rentável e sustentável. Ao longo desses 16 anos de história do Desafio, já tivemos mais de 1 milhão de universitários envolvidos e, cremos, que uma boa parte deles enveredou no mundo dos negócios”, aponta o diretor técnico da instituição no Maranhão, José Morais.

Números do Ciclo 2016

Para o ciclo 2016, a iniciativa reuniu mais de 26 mil estudantes universitários e 502 professores de todo país. No Maranhão, foram 316 estudantes universitários de 25 instituições de nível superior, que participaram de jogos de negócios para desenvolver habilidades empreendedores e corporativas, o que os deixou mais preparados para os desafios do mercado.

Dos 40 semifinalistas 15 vieram de Timon, Caxias, Imperatriz, Estreito, Açailândia, Buriticupu, Chapadinha e Santa Inês e os demais 24 são de três municípios da ilha de São Luís: a capital, Paço do Lumiar e São José de Ribamar.

A etapa nacional será totalmente presencial e premiará cada estudante da equipe vencedora com R$ 20 mil (primeiro lugar), R$ 10 mil (2º lugar) e R$ 5 mil (3º lugar).

“Antes tarde do que nunca”, diz deputado Wellington após cidade de Paraibano receber ambulância do Governo do Estado

O deputado estadual Wellington do Curso (PP) utilizou a tribuna da Assembleia Legislativa do Maranhão, para fazer referência à mais uma solicitação de sua autoria que foi atendida e resultou em benefício para a população. Dessa vez, foi a entrega de ambulância para a cidade de Paraibano, uma demanda já antiga do município, inclusive, foi apresentada por Wellington desde 2015.

Ao se pronunciar, Wellington destacou que destinou, em 2016, emendas que seriam para aquisição de ambulância e disse que é motivo de alegria saber que uma solicitação do povo foi atendida.

“Até fevereiro desse ano, havia uma única ambulância na cidade de Paraibano. Essa ambulância estava parada e sem motor. Em 2016, nós destinamos emendas parlamentares para a aquisição dessa ambulância, mas o valor não foi liberado pelo Governador. Agora, 01 ano depois da destinação e 40 dias após cobrarmos isso aqui no Plenário da Assembleia, ficamos felizes por atenderem essa solicitação que não é minha, mas da população que sofre com o descaso na saúde pública. Afinal, antes tarde do que nunca. É esse o nosso objetivo: ouvir a população, apresentar as solicitações de forma independente e, então, conseguir ações que façam a diferença nas vidas das pessoas”, disse Wellington.

Em Caxias, Roberto Rocha ensinou como a política pode unir ao invés de dividir o Maranhão

Unir e não dividir o Maranhão, esse tem sido um dos lemas do senador Roberto Rocha (PSB) nas andanças que segue fazendo pelo estado adentro a exemplo do que fez quando passou por Caxias na semana passada, registrado de perto para a história pelo Blog do Ludwig.

Na Princesa do Sertão Maranhense, Rocha fez questão de andar pelos quatros cantos da cidade atendendo convites de lideranças política chegando até a posar para fotos a pedidos de populares.

Mas, não ficou só por aí, o senador Roberto Rocha também procurou sentar e ouvir todos os seguimentos políticos caxiense sem exceção, como mostra a foto flagrante publicada em primeira mão aqui no Blog do Ludwig.

Tendo como cenário o balneário Veneza e prato principal o tradicional Pirão de Parida conhecido internacionalmente, o senador Roberto Rocha aparece numa longa mesa tendo na ‘cabeceira’ o megaempresário Eugênio Coutinho, pai do ex-prefeito de Caxias, Léo Coutinho e irmão do deputado Humberto Coutinho. Haviam acabado de inaugurar uma subestação no povoado do Baú, na zona rural de Caxias.

Para os atentos ao novo cenário político, sabiamente o senador Roberto Rocha segue ocupando um vácuo deixado e o exemplo mais próximo é a sua ida a Caxias onde cuidou de manter contato não só com o prefeito Fábio Gentil, Paulo Marinho, Catulé além de outros, como também os Coutinho que dominaram a cidade por 12 anos ininterruptos.

E para acalentar a alma dos curiosos, o encontro na Veneza entre o senador Roberto Rocha e Eugênio Coutinho teve além de muito Pirão de Parida um bom papo reservado que só os dois e Deus saberão contar.

Mais Coutinho – Além de Eugênio Coutinho, o senador Roberto Rocha teve também seu momento com o prefeito de Matões, o agropecuarista Ferdinando Coutinho que vem a ser irmão do presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Humberto Coutinho.

O fato é que Roberto Rocha deu uma aula da chamada “grande política”, aquela que sabe separar divergências paroquiais dos interesses maiores da população; aquela que sabe fazer a distinção entre época de eleição e tempo de trabalho quando os eleitos devem e precisam descer do palanque, e usar os seus mandatos em benefício do povo.

Foi exatamente isso que se viu nos dois dias em que o senador Roberto Rocha esteve em Caxias. Detalhe: não se tem registro do socialista ter falado, por onde andou na cidade, uma única vez em sucessão estadual de 2018. E Falou mais sobre políticas públicas do que a política propriamente dita.

Enfim, o senador Roberto Rocha deu razão aos mais velhos que costumam ensinar que na vida obtém sucesso quem mais sabe agregar do que dividir.

Isso também vale para a política.

Fonte:www.blogdoludwig.com

A cidade de Alto Alegre,faz parte dos 144 municípios que aderiram ao Programa “Criança Feliz”, do Governo Federal”.

VEJA E ENTENDA MAIS SOBRE O PROJETO:

O programa visa o fortalecimento das políticas públicas voltadas para a primeira infância e é destinado às gestantes, crianças de até três anos beneficiárias do Bolsa Família, crianças de até seis anos que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e as afastadas do convívio familiar por medida protetiva.

Dos 174 municípios maranhenses, considerados elegíveis pelo Governo Federal, para a execução do Programa “Criança Feliz”, 144 conseguiram entregar o Termo de Adesão dentro do prazo, encerrado na última sexta-feira

De acordo com a secretária Adjunta de Assistência Social (SAAS) da Sedes, Célia Salazar, os municípios que aderiram ao “Criança Feliz”, serão convocados pela Sedes para um encontro, onde serão repassados quais os próximos passos a partir de agora. “Durante a última reunião da Comissão Intergestores Bipartite de Assistência Social do Maranhão (CIB_MA), ficou acordado que, após término do prazo para adesão ao novo programa, a Sedes realizaria um encontro para repassar aos gestores municipais quais a próximas providências a serem tomadas.

Como é um programa novo e ainda estamos nos familiarizando com a ação, é de fundamental importância que a forma como será executado o programa, seja discutida e alinhada com todos os municípios participantes”, explicou Célia.

A secretária informou, também, que 20 municípios ainda estão com o seu pedido de adesão em análise pelo Conselho Municipal de Assistência Social (CMAS) e que o prazo estipulado para conclusão do processo será até dia 24 de fevereiro.

Municípios que aderiram ao Criança Feliz

Entre os 144 municípios que aderiram ao ‘Criança Feliz” estão: Açailândia, Afonso Cunha, Alcântara, Aldeias Altas, Alto Alegre do Maranhão, Amarante do Maranhão, Anajatuba, Anapurus, Apicum-Açu, Araguanã, Araioses, Bacabeira, Bacuri, Bacurituba, Balsas, Barão de Grajaú, Belágua, Benedito Leite, Bequimão, Bernardo do Mearim, Boa Vista do Gurupi, Bom Jardim, Bom Lugar, Buriti Bravo, Buritirana, Cajari, Campestre do Maranhão, Cândido Mendes, Cantanhede, Capinzal do Norte, Carolina, Carutapera, Centro do Guilherme, Centro Novo do Maranhão, Colinas, Conceição do Lago-Açu, Coroatá, Davinópolis, Dom Pedro, Duque Bacelar, Esperantinópolis, Fernando Falcão, Formosa da Serra Negra, Fortuna, Godofredo Viana, Gonçalves Dias, Governador Eugênio Barros, Grajaú, Guimarães, Humberto de Campos, Icatu, Igarapé do Meio, Igarapé Grande, Imperatriz, Itaipava do Grajaú, Itapecuru Mirim, Jatobá, Jenipapo dos Vieiras, João Lisboa, Joselândia, Junco do Maranhão, Lago da Pedra, Lago do Junco, Lago dos Rodrigues, Lago Verde, Lagoa do Mato, Lagoa Grande do Maranhão, Lajeado Novo, Lima Campos, Loreto, Luís Domingues, Maracaçumé, Maranhãozinho, Mata Roma, Matinha, Matões, Matões do Norte, Milagres do Maranhão, Mirador, Miranda do Norte, Mirinzal, Monção, Montes Altos, Morros, Nina Rodrigues, Nova Colinas, Nova Iorque, Nova Olinda do Maranhão, Olho d´Água das Cunhãs, Olinda Nova do Maranhão, Parnarama, Passagem Franca, Pastos Bons, Pedro do Rosário, Penalva, Peri Mirim, Peritoró, Pio XII, Poção de Pedras, Porto Franco, Porto Rico do Maranhão, Presidente Dutra, Presidente Juscelino, Presidente Médici, Primeira Cruz, Riachão, Ribamar Fiquene, Rosário, Sambaí- ba, Santa Filomena do Maranhão, Santa Inês, Santa Rita, Santana do Maranhão, Santo Amaro do Maranhão, Santo Antônio dos Lopes, São Benedito do Rio Preto, São Domingos do Azeitão, São Domingos do Maranhão, São Francisco do Maranhão, São João do Soter, São João dos Patos, São José de Ribamar, São José dos Basílios, São Mateus do Maranhão, São Pedro dos Crentes, São Raimundo das Mangabeiras, São Raimundo do Doca Bezerra, São Roberto, Satubinha, Senador Alexandre Costa, Senador La Rocque, Sítio Novo, Sucupira do Norte, Sucupira do Riachão, Tasso Fragoso, Timbiras, Timon, Trizidela do Vale, Tufilândia, Tuntum, Turilândia, Urbano Santos, Vargem Grande e Viana..

O programa visa o fortalecimento das políticas públicas voltadas para a primeira infância e é destinado às gestantes, crianças de até três anos beneficiárias do Bolsa Família, crianças de até seis anos que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e as afastadas do convívio familiar por medida protetiva.

Agora a população tem que participar, fiscalizar, cobrar, por todas as melhores que este projeto irá trazer para nossa cidade de Alto Alegre.