Home / Gospel

Gospel

Malafaia cita legislações e convenções internacionais para denunciar: “Ideologia de gênero é crime”

A frase de Simone de Beauvoir citada na prova do ENEM de 2015 gerou muita polêmica e o pastor Silas Malafaia resolveu gravar um vídeo para mostrar as incoerências do discurso do movimento LGBT.

O pastor começa dizendo que nos últimos anos participou de inúmeros debates onde os ativistas afirmavam que os homossexuais já nascem assim e agora, para implantar a ideologia de gênero, aparecem com a frase da escritora francesa para dizer que ninguém nasce masculino ou feminino.

Malafaia lembra que a ciência não tem relação com ideologias. “A criança quando nasce, isso aqui é ciência, tem uma pré-disposição de herdar características psicológicas do sexo que veio”.

A opinião do religioso é que não há como comprovar cientificamente as afirmações do ativismo gay, pois só existe macho e fêmea e as demais coisas são “vícios contra a natureza”.

“A sexualidade nas diferentes espécies cumpre três funções principais: dualismo, complementariedade e fecundação. Que conversa é essa que ninguém nasce masculino e feminino?”, questiona.

Malafaia aproveita para mostrar a importância de votar em pessoas e partidos que não tenham posicionamentos contrários à família.

“Essa gente tem que ser varrida da política pelo viés democrático do voto”, afirma o pastor assembleiano que constantemente é alvo de investigações por parte do Governo.

Segundo ele, sua postura sempre foi “contra o ativismo gay, porque é ideológico”, e não contra os homossexuais. Uma prova da ideologia por trás do ativismo, segundo o pastor, está no fato de que estão “abolindo o dia dos pais e das mães” nas escolas, sob o argumento de que crianças adotadas por homossexuais não teriam um dos dois.

“Toda uma sociedade sendo subjugada por uma minoria”, esbravejou o pastor. “O governo que saiu [Dilma Rousseff] tentou aprovar [a ideologia de gênero na educação] no Senado em 2012, na Câmara em 2014, e foi retirado, rejeitado pelo Senado e Câmara”, relembrou.

Destacando que não estava construindo seus argumentos sob o ponto de vista religioso, mas a partir das leis que vigoram no país, Malafaia elencou as principais leis e convenções que estabelecem diretrizes sobre o assunto.

“O artigo 226, no caput da Constituição Brasileira. ‘A família é a base da sociedade, tem proteção especial do Estado’. Agora veja o artigo 229: ‘os pais, não a escola ou o Estado, têm o dever de assistir, criar e educar os filhos menores’. É dos pais, não é da escola. Ideologia de gênero uma vírgula […] Olha o artigo 221 o que diz: ‘A produção e a programação das emissoras de rádio e televisão atenderão aos seguintes princípios: respeito aos valores éticos e sociais da pessoa e da família’. A TV não é para mostrar estupro, cena de ato sexual de gays, nem de hetero. Eu não estou inventando nada”, frisou.

Sobre a Convenção Americana de Direitos Humanos, que o Brasil é signatário, Malafaia destacou o tópico que fala sobre Liberdade de Consciência e Religião: “Item 4, do artigo 12: ‘Os pais têm o direito que seus filhos e pupilos recebam educação religiosa e moral, que estejam de acordo com suas próprias convicções’. Não é a escola que vai ensinar a sexualidade a nossos filhos, menores. Não tem parâmetro legal”, destacou.

Sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), o pastor lembrou que as cartilhas distribuídas pelo Ministério da Educação durante o governo petista, com desenhos que simulavam sexo entre crianças do mesmo gênero, eram ilegais: “Artigo 79: ‘as revistas e publicações destinadas ao público infanto-juvenil deverão respeitar os valores éticos e sociais da pessoa e da família’. Não é os valores éticos do professor esquerdopata, comunista, não é o valor ético de petralha, não é o valor ético de ideólogo de esquerda, não”.

“Ensinar ideologia de gênero em escola municipal é crime”, frisou, acrescentando outro tópico do ECA: “’Artigo 249: ‘Norma punitiva aos pais que não cumpram seus deveres inerentes ao poder parental’. Olha que coisa de louco. Os pais são punidos se não exercerem a sua autoridade. Como é que a escola vai querer ensinar sexo? ‘A negligência da família no sustento material escolar dos filhos é punida pelo código penal nos artigos 244 e 246’. Se os pais são punidos […] Com aquela conversa de bullying – papo furado – querem erotizar crianças… Cartilhas eróticas. É proibido”, disse.

O pastor ainda exortou os cristãos a escolherem seus votos de forma criteriosa, para evitar que sejam eleitos políticos sem compromisso com os valores e as leis mencionadas. Assista:

Assista

Líder satânico se converte após procurar igreja: “Deus continuou me amando”

2891224539-jacob-mckelvyJacob McKelvy ajudou a fundar um grupo satânico no Texas, nos Estados Unidos. No entanto, sua vida foi transformada depois que ele e sua esposa decidiram renunciar seus laços com as trevas e se render a Jesus Cristo.

O batismo do casal aconteceu no dia 5 de fevereiro, na Spring First Church. Durante a cerimônia, eles compartilharam parte de seu testemunho. “A gente estava atolado nas sombras da influência adversária e não conhecia o amor. Hoje repreendo, denuncio e rompo a aliança satânica pelo sangue de Jesus”, Jacob afirmou, de acordo com o site CBN News.

Jacob lembra que se voltou para o satanismo depois que sua irmã morreu após ser atacada por uma cobra. “Eu nasci e fui criado na Igreja Mórmon, mas disse que se Deus levasse minha irmã, eu iria para o lado escuro. Eu estava sem esperança e com um sentimento de impotência quando conheci o Luciferianismo, que prega que você é seu próprio Deus”, explicou.

No dia 30 de outubro de 2015, Jacob inaugurou um grupo satânico chamado “Maior Igreja de Lúcifer”, fundada em Houston, no Texas. Alguns cristãos fizeram protestos contra a suposta igreja, mas o pastor Robert Hogan, líder da Spring First Church, incentivou sua igreja a orar em vez de protestar.

“Eu não vou ficar lá segurando cartazes”, disse Hogan à sua igreja. “Se você quiser protestar, proteste com os joelhos no chão”.1002467656-

Em agosto de 2016, Jacob entrou na Spring First Church e pediu para se encontrar com o pastor Hogan. “Eu senti essa vontade ardente de visitar aquela igreja, então eu fui. Robert não estava lá naquele dia, mas ele me ligou de volta. Nós conversamos no telefone por duas horas e, em seguida, combinamos um encontro onde conversamos por 4 horas. Naquele dia, eu acabei entregando a minha vida a Cristo “.

Jacob lembra como foi se encontrar com o pastor Hogan. “Eu tenho que dizer que Robert é um dos melhores homens que eu já conheci na minha vida. Ele é um homem de verdade”, disse ele.

Hoje, Jacob espera que sua história inspire outras pessoas a seguirem a Deus e viverem a vida de Cristo. “Não importa o quão longe de Deus você esteja, sempre há um caminho de volta para casa”, afirmou.

Jacob sempre compartilha nas igrejas a grande prova do poder da oração. “O poder, a paz e a integridade que sinto hoje são muito maiores do que qualquer coisa que eu já tenha sentido antes”, disse ele. “Eu criei uma igreja para destruir a religião dogmática e Ele continuou me amando”.

A chamada Maior Igreja de Lúcifer fechou suas portas após a conversão de seu antigo líder.

Fonte: Guia-me

Entrevista exclusiva: Pr. Silas Malafaia fala tudo a Roberto Cabrini; confira os vídeos

miolo-pgm-3O jornalista Roberto Cabrini exibiu uma entrevista reveladora com o pastor Silas Malafaia, presidente da Assembleia de Deus Vitória em Cristo (ADVEC), no programa Conexão Repórter deste domingo (12), no SBT. Durante dias, o programa acompanhou o dia a dia do pastor, perguntou detalhes sobre a sua vida e o abordou sobre o indiciamento por suspeita de lavagem de dinheiro. Como resposta, o pastor mostrar sua declaração de imposto de renda, onde constam detalhes de doações e bens pessoais.

Cabrini mostra ainda as ruas que levam à infância do pastor, a casa onde cresceu e, até hoje, vivem a mãe e uma irmã. O projeto social que Silas ajuda: um espaço que cuida de moradores de rua e viciados em drogas.

O programa mostra ainda seu fogo cruzado contra um desenho animado que, segundo ele, incita a ideia do homossexualismo em crianças. As facetas de um homem que condena o homossexualidade, o aborto, e outros temas. A rotina, o trabalho e a vida em família.

Confira trechos da entrevista:

Cabrini: De tudo o que os seus inimigos dizem a seu respeito, o que mais incomoda o senhor?
Malafaia: O que mais incomoda é a calúnia e a difamação.

Cabrini: Uma frase que incomoda…
Malafaia: Dizer que estou sendo acusado de lavagem de dinheiro. Isso é a maior bandidagem.

Cabrini: A Polícia Federal considera o senhor suspeito de pertencer a uma organização criminosa?
Malafaia: Deixa eu te falar: o delegado tem o direito de indiciar quem ele quiser, como ele quer. Para isso tem a Justiça.

Cabrini: A Polícia Federal suspeita que o senhor usou as suas contas para esconder o dinheiro da máfia da mineração.
Malafaia: Mentira. O processo tem mais de mil páginas, meu nome aparece em 2 linhas e meia. Eu recebi uma oferta de R$ 100 mil, depositei na minha conta, declarei ao Imposto de Renda e poderia ter usado como usei outras ofertas. Não tem nada ilegal, vou provar com toda essa documentação que sou inocente, não tenho nada a ver com esses canalhas e bandidos, que roubaram mais de 70 milhões, isso é um jogo.

Cabrini: O senhor teme ser preso?
Malafaia: Não, não tem uma vírgula de motivo para isso, não tem uma prova de que eu participei de uma Operação para roubar a nação. Isso é uma infâmia, é uma safadeza, querem me denegrir porque eu sou um pastor que tem influência na sociedade.

Cabrini: Seus inimigos o classificam como mercador de almas, alguém que visa sempre o lucro em nome da exploração da fé.
Malafaia: Isso é tão baixo, tão sujo e tão medíocre, porque para dizer isso tem que provar.

Cabrini: Se um dos seus filhos fosse gay, como é que o senhor reagiria, como é que o senhor faria?
Malafaia: Profundamente, sem abrir mão do meu amor, mas diria para ele a verdade, dizer que está errado, porque amar não significa ser conivente.

 Toda a história da sociedade está sustentada por um homem, a mulher e seus filhos. A prole. Isso aqui é a sociedade, história da civilização. Querem mudar esse status, vamos ver esse resultado nas gerações futuras.

Cabrini: Não entram no reino do céu, mesmo se pagar o dízimo?
Malafaia: A oferta na igreja não tem nada a ver com salvação, não tem nada a ver. A oferta tem a ver com a prosperidade de viver, a soberania de Deus.

Cabrini: Por que um desenho tanto te incomoda?
Malafaia: Vê se isso tem cabimento. O que a Disney quer? Beijo gay? Erotizar crianças é a coisa mais covarde que se tem. A Disney quer colocar o homossexualismo para as crianças… E eu vou me calar? Aí querem me bater. Você vai me desculpar, eu não posso me calar.

* Assista a íntegra do programa nos dois vídeos acima. 

 

Fonte: Conexão Repórter

Pastor Silas Malafaia é inocentado em delação premiada

pastor-silas-malafaiaO Pastor Silas Malafaia voltou a ser destaque na mídia nacional, isso porque um advogado envolvido no esquema de lavagem de dinheiro que envolveu Malafaia, o inocentou das acusações.
Silas Malafaia passou a ser investigado na Operação Timóteo, e teve que explicar a Polícia Federal sobre os detalhes da doação que recebeu.
O colunista do O Globo, Lauro Jardim, publicou na manhã desta Quinta-Feira 09, uma nota informando que um advogado confirmou em delação premiada, que o dinheiro doado ao pastor, foi de fato uma oferta religiosa.

Com o depoimento da única pessoa que liga Malafaia ao caso, é uma questão de tempo até que a justiça retire o nome do pastor do caso.

Entenda

Em Dezembro, o pastor Silas Malafaia foi alvo de uma condição coercitiva, e foi ouvido pela Polícia Federal em uma das etapas da Operação Timóteo.
O caso se espalhou rapidamente pela web, e foi publicado em vários sites de notícias gospel e se tornou o assunto mais comentado no Twitter.
Ele foi acusado de ter usado as contas da sua igreja (ADVEC), em um complexo esquema de lavagem de dinheiro.
A ausação foi feita depois de Malafaia ter recebido um oferta no valor de R$100 mil reais, feita por um advogado investigado na operação Lava Jato.

Silas Malafaia e a Mercedes de R$500 mil

Um dos argumentos utilizado pelo pastor Silas Malafaia em sua defesa, foi afirmar que não é a primeira vez que recebeu oferta milionária.
Malafaia confirmou ter recebido um Mercedes avaliado em quase R$500 mil reais de oferta.

Amigos não defendem Silas Malafaia

Silas Malafaia não é apenas um pastor que é famoso por aparecer na TV. Ele é presidente do conselho nacional de pastores, com essa posição, seria de se esperar que os pastores ligados a ele, o defendessem nas redes sociais.
Mas parece que os amigos de Malafaia escolheram se calar, diante de tamanha polêmica.

Padre em pleno casamento fala a verdade e causa polêmica entre católicos,veja o video

IMG_5197Durante a celebração de um casamento no Tocantins, o padre Aderso Alves dos Santos, conhecido como o padre da galera, na Paróquia Bom Jesus da Serra, trouxe uma mensagem muito sábia, mas que causou muita polêmica para algumas pessoas da Igreja Católica.

Muitos que estavam no casamento elogiaram o sermão do padre e disseram que tudo que ele falou é apenas a verdade, entretanto alguns católicos não se agradaram com o que o padre disse. Isso, pelo fato que alguns acreditam que Maria tem poder para salvar e ela deve ser adorada, e estes se manifestaram nas redes sociais indignados com o conteúdo do sermão do padre.

A repercussão foi tanta que alguns fieis, mais indignados, usaram as redes sociais para pedir a exclusão do padre da Igreja Católica, porém muitos entenderam que ele falou a verdade e por isso o padre não precisaria ser punido por um sermão tão sábio.

Não é a primeira vez que o padre está no meio de uma confusão, em 2013 ele se envolveu em uma polêmica ao ponto de o Arcebispo ter que transferir o padre de cidade, porém muitas pessoas manifestaram nas ruas para manter o padre na mesma cidade, e então o arcebispo resolveu atender o clamor popular e deixou o padre Aderso em Palmas.

“Louvado seja Deus pelo que sou agora”, diz Alice Cooper após conversão

Após sua conversão, o roqueiro deixou o alcoolismo e seu antigo estilo de vida. (Foto: Reprodução)

Após sua conversão, o roqueiro deixou o alcoolismo e seu antigo estilo de vida. (Foto: Reprodução)

Alice Cooper ficou mundialmente conhecido nos anos 70 por seus shows de rock que chocavam e provocam o público, junto com letras obscenas, obscuras e sangrentas que, junto com seu visual gótico, o transformaram em um ícone do rock.

No entanto, a trajetória de Alice foi marcada por uma insatisfação que só foi preenchida depois que ele decidiu se render ao Deus de sua infância.

“Quando você chega no auge e percebe que teve carros, casas e tudo mais, você vê que essa não era a resposta”, disse o cantor ao site CNS News. “Há um grande nada no final disso. O materialismo não significa nada. Muitas pessoas dizem que há um buraco do tamanho de Deus em seu coração. E quando ele está completo, você realmente fica satisfeito. É onde eu estou agora”.

Vincent Damon Furnier — seu nome de registro — nasceu em 1948 e foi criado por uma família de pastores em Arizona, nos Estados Unidos. Neto de pastor, o artista já realizou trabalhos missionários com seu pai e outros companheiros, mas decidiu abandonar a fé.

Movido pelo sucesso, Alice esqueceu os primeiros capítulos de sua vida. No entanto, seu vício em álcool acabou o conduzindo de volta. “Eu vomitava sangue todas as manhãs. Eu realmente era um alcoólatra. Eu não era um alcoólatra violento, mas eu era autodestrutivo”, confessa.

Alice Cooper e sua esposa, Sheryl Goddard, de 41 anos. (Foto: Kevork Djansezian/Getty Images)

Alice Cooper e sua esposa, Sheryl Goddard, de 41 anos. (Foto: Kevork Djansezian/Getty Images)

Quando Alice decidiu fazer uma consulta com um médico para iniciar o tratamento contra seu vício, ele experimentou um toque sobrenatural de Deus. “Quando saí do hospital, fiquei esperando vir a vontade de beber, e ela nunca mais veio. Foi um milagre”, disse o cantor.

“Eu digo às pessoas que não sou um alcoólatra tratado, sou um alcoólatra curado. Eu nunca fui ao Alcoólicos Anônimos ou algo assim, eu dou todo o crédito a Deus por isso. Até mesmo o médico disse: é um milagre ver que você não voltou para o álcool nas situações estressantes'”, ele lembra.

Quando Deus libertou Alice do álcool, ele voltou à igreja. Ao lado de sua esposa, Sheryl Goddard, de 41 anos, o cantor frequenta a Igreja Bíblica Camelback em Paradise Valley, no Arizona.

“Deus tem um plano para todos. Olho para a minha vida e penso: ‘como é possível que eu não tenha morrido?’. Deus coloca dificuldades em sua vida o tempo todo para tentar te tornar mais parecido com Ele. Isso é ser cristão, é ser uma pessoa moldada por toda a sua vida”, ele observa.

Mudança na carreira

Nos estágios iniciais de sua caminhada com Deus, Alice achou que não poderia continuar sua carreira. “Eu não posso ser Alice e ser cristão”, disse ele ao seu pastor, na época. “Ele me respondeu que Deus não comete erros. Ele disse que Deus me colocou numa situação incomum por uma razão e agora eu deveria deixar o meu estilo de vida falar sobre as minhas crenças. Não era a resposta que eu esperava”.

Em um esforço para seguir a vontade de Deus, Alice fez alguns ajustes em sua carreira. Alguns de seus repertórios mais antigos já não são executados, especialmente canções que promovem a promiscuidade ou a bebida. Hoje, o roqueiro escreve canções que são influenciadas pelo conteúdo de sua fé.

Após sua conversão, o roqueiro deixou o alcoolismo e seu antigo estilo de vida. (Foto: Reprodução)

Após sua conversão, o roqueiro deixou o alcoolismo e seu antigo estilo de vida. (Foto: Reprodução)

“Tenho muito cuidado com as letras. Eu tento escrever canções que são igualmente boas, mas com uma mensagem melhor”, ele conta.

Quanto aos críticos de seu passado pecaminoso, Alice é categórico: “Hoje sou alguém novo. Não julgue o Alice pelo que ele costumava ser. Louvado seja Deus pelo que sou agora. O fato de Deus ter se importado o suficiente comigo para salvar minha vida e me ajudar a sobreviver a um milhão de coisas, me colocar onde estou agora, [é suficiente]”, disse ele. “Se Deus pôde abrir o Mar Vermelho e criar o universo, Ele certamente poderia tirar o alcoolismo de alguém”.

Fonte: Guia-me

Filme de ex-ativista gay que se tornou pastor enfrenta obstáculos no cinema

i-am-michael-ex-ativista-gay-pastorO testemunho de um ativista-gay que se converteu ao Evangelho, abandonou a homossexualidade e casou-se com uma mulher virou um filme produzido em Hollywood, elogiado em festivais e perseguido pelas distribuidoras de cinema.

O longa-metragem I Am Michael (“Eu sou Michael”, em tradução do inglês) reúne um elenco de atores com certo reconhecimento na indústria do cinema: James Franco, Emma Roberts e Zachary Quinto dão vida aos personagens principais. O filme, concluído em 2015, só chegou aos cinemas dos EUA – em um circuito reduzidíssimo – em fevereiro de 2017.

O motivo de tanta demora é a postura das distribuidoras e empresas de cinema, que alinharam-se com a crítica especializada e passaram a acusar o filme de ser “panfletário” e “homofóbico”, de acordo com informações da Christian Broadcasting Network (CBN).

Produzido como uma obra biográfica, o filme conta a história de Michael Glatze (James Franco), um ativista gay que fundou a revista Young Gay America e vivia com seu namorado, Bennett (Zachary Quinto), mas sentia-se vazio.

No filme, a história de vida de Michael é dividida em duas partes: na primeira, é mostrado como ele se tornou ativista e as ideias que difundia; na segunda, a luta do novo convertido com suas crenças da época de militância LGBT, abandono de amigos e descoberta da mensagem real da Bíblia Sagrada.

“Comecei a perceber algumas coisas que eu jamais imaginava, como o fato de que eu estava liderando um movimento de pecado e perversão. Essa descoberta não foi baseada em dogmas religiosos, cheguei a essa conclusão por mim mesmo. Ficou claro para mim, enquanto eu pensava sobre o homossexualismo, que nos impede de achar nossa verdadeira personalidade. Quando estamos na cegueira do homossexualismo, não conseguimos ver a verdade”, afirmou Michael Glatze.

Logo que abandonou a prática homossexual, em 2003, o ex-ativista passou a ser perseguido pelos antigos colegas, mas isso não o intimidou: “Eu sinto fortemente que Deus me colocou aqui por uma razão. Mesmo nos dias mais sombrios de festas noturnas, abuso de substâncias e todo tipo de coisas, quando eu me perguntava: ‘Por que estou aqui, o que estou fazendo?’ – havia sempre uma voz lá”, afirmou Michael Glatze, em um artigo, anos atrás.

A revelação de que havia descoberto que a homossexualidade é algo que contraria a vontade de Deus aconteceu em 2007. Michael Glatze afirmou, à época, que “abandonar a influência da mentalidade homossexual foi a coisa mais libertadora, bela e surpreendente que já experimentei em toda a minha vida”.

Depois de sua conversão, ele conheceu Rebbeca (Emma Roberts), casou-se e estudou teologia, antes de se tornar pastor de uma pequena congregação na zona rural do estado de Wyoming. “Estou aqui para viver uma vida boa, honrando a Deus. Como cristão, eu seria um mentiroso se não dissesse às pessoas quem é Deus e o que Ele tem feito na minha vida”, frisou.

Agora, o testemunho do pastor Michael Glatze enfrenta dificuldades de distribuição nos cinemas. No Brasil, não há previsão de lançamento, mas nos Estados Unidos, já há cópias à venda nos formatos DVD e digital.

Assista ao trailer, legendado:

Qual é a origem do carnaval? Qual é seu significado

Carnaval vem do latim e provavelmente significa “adeus à carne”. O carnaval é uma grande festa que acontece antes do período da Quaresma. A Bíblia não diz nada sobre o carnaval.

O carnaval não existia nos tempos da Bíblia. A festa só surgiu alguns séculos depois de Cristo. Várias culturas antigas tinham festas parecidas com o carnaval na primavera, que podem ter influenciado o calendário cristão. Na tradição católica o carnaval se tornou numa grande celebração antes do tempo de privação e penitência da Quaresma.

Durante a Quaresma, os fiéis católicos não deveriam comer carne nem fazer festas, para se purificarem em preparação para a Páscoa. Então no dia antes de começar a Quaresma, surgiu a tradição de aproveitar o “último dia de liberdade”, comendo, festejando e desfrutando de muitos prazeres. Esse dia ganhou o nome de carnaval.

Veja também: o que é a Quaresma? Cristãos devem fazer?

Carnaval e a Bíblia

Desde o início, o carnaval tem sido associado a excessos. A Bíblia nos ensina a ser moderados e a ter domínio próprio. O carnaval também é usado como desculpa para praticar imoralidade sexual, fazendo coisas que em outros dias não seriam aceitáveis. A Bíblia nos avisa a ficar sempre longe da imoralidade sexual (1 Coríntios 6:18-19).

A ideia por trás do carnaval é que podemos cometer excessos e fazer coisas erradas nesse dia, porque nas semanas seguintes vamos nos purificar. Isso é falsa religiosidade, que não vem do coração (Mateus 15:8-9). Quem realmente tem seu coração transformado por Jesus não quer pecar mais. O pecado desagrada a Deus todos o dias. Carnaval não é exceção.

O crente precisa ter muito cuidado durante o carnaval. A tentação para pecar pode ser muito grande mas a Bíblia diz que há sempre uma forma de fugir da tentação (1 Coríntios 10:12-13).