Home / Arquivo do Autor: codonoticias

Arquivo do Autor: codonoticias

O mundo está cheio de ódio porque se esqueceu das palavras de Jesus, diz Billy Graham

Em uma mensagem devocional publicada no último sábado (24), o evangelista Billy Graham fez uma análise do cenário em que o mundo se encontra nos dias atuais.

“Enquanto o verdadeiro cristianismo diminuiu, a grosseria e a violência aumentaram. Vizinhos brigam com vizinhos. As agressões são um grande problema nas escolas e as ‘guerras de gangues’ entre adolescentes têm apresentado ameaça séria”, avalia.

“Pais e mães disputam e brigam. Casas estão se desintegrando. Altos funcionários do governo se envolvem em xingamentos e discussões acaloradas, que não estão de acordo com a dignidade do seu cargo”, ele continua.

Por que os atos de selvageria têm penetrado na sociedade? De acordo com Graham, é porque as pessoas se esqueceram das palavras de Jesus, relatada em Mateus 5:5: “Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra”.

“Eu já vi homens resistentes, ásperos e endurecidos abrirem os seus corações pela fé, receberem a Cristo como Salvador se e tornarem tranquilos, pacientes e misericordioso”, comentou o evangelista.

Por fim, Graham fez uma oração por todos os cristãos, pedindo para que em um mundo movido pela raiva, todos pudessem ser “usados para trazer paz em meio aos conflitos”.

Novo posto de serviços do SAAE está a disposição do público no Viva Cidadão de Codó

Agora a população de Codó já poderá contar com mais um ponto de atendimento do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE). Desde o mês de maio a autarquia abriu seu posto avançado para atendimento ao público, que irá funcionar nas dependências do Viva Cidadão, no centro da cidade.

De acordo com o Diretor Geral do SAAE de Codó, Evimar Barbosa, a iniciativa possibilita mais uma opção de atendimento aos consumidores codoenses. “É uma parceria entre o governo do Estado e a Prefeitura de Codó, que irá facilitar o atendimento ao público de nossa cidade. Além de nossa central de atendimento, na nossa própria sede, poder contar com um posto do SAAE na sede do Viva Cidadão é saber que os clientes terão mais opção e comodidade”.

Dentre os serviços ofertados, o público poderá contar com informações gerais, emissão da segunda via de talão, pedido de ligação nova, pedido de religação de água, transferência de ramal, corte a pedido, extratos de débitos.

Ascom – PMC

Nova técnica do MPT aponta inconstitucionalidades da reforma trabalhista

Brasília – O procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Fleury, divulgou uma nova nota técnica (nº 8) nesta pedindo a rejeição parcial do projeto da reforma trabalhista (PLC 38/2017), em tramitação no Senado. A nota técnica destaca as inconstitucionalidades do projeto como: desvirtuamento do regime de emprego; terceirização ampla e irrestrita; flexibilização da jornada de trabalho com limites superiores aos atuais; violação de direito fundamental ao salário mínimo, à remuneração pelo trabalho e a salário equitativo; prevalência do negociado sobre o legislado para reduzir proteção social do trabalhador; fragilização do direito à representação de trabalhadores por local de trabalho; restrições do acesso à justiça do trabalho; afronta à autonomia funcional do poder judiciário trabalhista, entre outras violações.

Essas inconstitucionalidades estão sendo apresentadas pelo procurador-geral do Trabalho nesta terça-feira (27) em audiência pública, na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado. Na quarta-feira (28), a CCJ agendou a votação do relatório do senador Romero Jucá (PMDB-RR) sobre a reforma trabalhista. O projeto já passou por dois colegiados na Casa. A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) deu parecer favorável ao texto, com a aprovação do relatório do senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), enquanto a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) decidiu pela rejeição do relatório de Ferraço e pela aprovação de voto em separado do senador Paulo Paim, contrário ao projeto. A palavra final sobre a reforma trabalhista será do Plenário. Se o texto for aprovado como veio da Câmara, segue para sanção do presidente da República. Se houver mudanças, a matéria volta para análise dos deputados.

Federação dos Municípios promoverá encontro estadual

Evento está sendo promovido pela gestão Cleomar Tema e contará com a participação de Flávio Dino

A Federação dos Municípios do Estado do Maranhão realizará na terça-feira, dia 04 de julho, um grande evento que reunirá gestores municipais de várias regiões e o governador Flávio Dino.

Trata-se do I Encontro Estadual da FAMEM, iniciativa que acontecerá no auditório da FIEMA, em São Luís, a partir das 13h.

O encontro foi pensado pela Diretoria da entidade municipalista com o objetivo de aproximar, cada vez mais, prefeitos e prefeitas da administração estadual e, desta forma, discutir as problemáticas da municipalidade e apontar soluções para resolvê-las.

A programação definitiva, que será divulgada nos próximos dias, prevê debates acerca das reivindicações dos gestores; ações governamentais e projetos desenvolvidos pela Federação em favor dos municípios.

Durante o evento, a diretoria da entidade, comandada pelo seu presidente, prefeito Cleomar Tema (Tuntum), solicitará oficialmente ao governador Flávio Dino, que já confirmou presença, a habilitação de 107 municípios na gestão plena dos recursos da saúde.

Tal medida melhorará a prestação de serviços na área, uma vez que significará maior dinamismo, maior agilidade e mais qualidade.

A habilitação dos municípios maranhenses na gestão plena dos recursos da saúde é uma pauta que vem sendo tratada pela diretoria da Federação e o governo do estado desde o início do ano.

Também figura como uma reivindicação dos próprios gestores públicos municipais.

No encontro, o governador Flávio Dino, além de dialogar diretamente com prefeitos e prefeitas, deverá fazer anúncios de novos benefícios para os municípios do Maranhão.

Legenda foto: Evento está sendo promovido pela gestão Cleomar Tema e contará com a

Operação Lava Jato: Especialista em Direito Penal aborda condenação de Palocci e colaborações premiadas

Nesta segunda-feira (26/6) o juiz federal, Sérgio Moro proferiu sentença, condenando o ex-ministro da Fazenda e, também, da Casa Civil, Antonio Palocci, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, em mais uma fase da Operação Lava Jato. Palocci foi condenado a 12 anos de prisão e ao pagamento de 1,02 milhão de multas por ter interferido para favorecer a Odebrecht em uma licitação de 21 sondas da Petrobras, sendo descrito como o principal administrador da conta-corrente geral de propinas entre o Partido dos Trabalhadores (PT) e a empresa.

Segundo a sentença, o político utilizou dinheiro de propina para “remunerar, sem registro, serviços prestados em campanhas” e “fraudar sucessivas eleições no Brasil, contaminando-as com recursos provenientes de corrupção”.

O especialista em Direito Penal e professor do Centro Preparatório Jurídico (CPJUR), Leonardo Pantaleão, aponta que os crimes imputados são bastante graves por envolver agente da administração pública, justificando a pena máxima proferida. Ele também destaca que a permanência de Pallocci em regime prisional tem aparato legal. “Somente se daria o relaxamento se os motivos que justificaram a prisão preventiva não estivessem mais presentes. Como, no entendimento declarado do juiz, trata-se de uma conduta criminosa por um membro de grande poder e influência, com alto risco de reincidência, houve a opção por manter o regime durante a fase recursal”, diz Pantaleão.

Prisão Preventiva

A operação Lava Jato culminou, até o momento, com diversos mandados de prisões preventivas sendo cumpridos. O professor do CPJUR destaca que o procedimento se dá por diversos motivos previstos na Lei Processual Penal brasileira. A intenção do investigado em frustar a aplicação da lei com a possibilidade de fuga, obstrução de justiça, ameaças a testemunhas ou ocultação de provas, risco à ordem econômica e o não cumprimento de medidas cautelares são alguns deles. Mas será que há abuso na utilização deste recurso pela Justiça?

De acordo com o jurista, a medida tem um caráter excepcional, mas já se perfaz, em muitos casos, num uso rotineiro. “Há, sim, certo abuso no uso deste recurso por parte da Justiça, em termos gerais, como forma de responder à sociedade sobre a sensação vigente de impunidade sem que, por vezes, exista uma fundamentação jurídica que a ampare”.

Corrupção Passiva e Lavagem de Dinheiro:

Além de Antonio Palocci, foram condenados outros doze reús em processos que envolvem corrupção passiva e lavagem de dinheiro, entre os quais estão o empresário Marcelo Odebrecht e o casal de marqueteiros, João Santana e Mônica Moura.

De acordo com o especialista, a corrupção passiva pode ser classificada em três tipos de condutas infracionais: Solicitar, receber ou aceitar promessa de vantagem indevida em razão do cargo ocupado para beneficiar o corruptor. Já a lavagem de dinheiro, seria uma forma de se utilizar de mecanismos que aparentem a legalização de capital ilícito. “Em termos gerais, e como exemplo, trata-se da artimanha de “esquentar” o dinheiro por meio de um comércio, patrocínio e outros milhares de subterfúgios encontrados para este fim”, ressalta Pantaleão.

Delações Premiadas

Outro termo bastante frequente nos noticiários e que tem tido um grande impacto nas investigações são as conhecidas delações premiadas. Leonardo Pantaleão esclarece que o nome técnico para o procedimento é colaboração premiada – e tem como objetivo servir como incentivo a um dos integrantes da organização criminosa para que beneficie o Estado e o Poder Público, por meio da indicação de envolvidos e atividades ilícitas, na busca por provas que podem trazer fatos novos e importantes para a investigação. Com isso, os “colaboradores” recebem um prêmio que pode variar de um abrandamento da pena até chegar, dependendo da relevância, a um perdão judicial.

Como fica o processo?

Com a sentença, o processo entra em fase de recursos. “Os advogados dos condenados deverão recorrer e buscar a redução das penas aplicadas, com exceção aos casos em que foram firmados termos de colaboração premiada, pois nesses casos, existe a condição para que não haja postura adversarial por parte dos colaboradores, impossibilitando a alteração nos termos outrora negociados”.

Sobre O CPJUR

Com foco no desenvolvimento de estudantes e profissionais de todo o Brasil que buscam capacitação e aprimoramento de conhecimentos na carreira jurídica publica ou privada, o Centro Preparatório Jurídico (CPJUR) promove cursos para o Exame da OAB, Concursos Públicos e Pós-graduação nas modalidades presencial, telepresencial e online. Com investimentos na qualidade de seu corpo docente, formado pelos principais juristas do Brasil; profissionais de atendimento com vasta e comprovada experiência no segmento; salas de aula com padrão de excelência e moderna tecnologia de transmissão, visa oferecer soluções inovadoras e adaptadas às necessidades de mercado, com a personalização e atualização constante exigida pelo ramo do Direito.

Em julho, Caxias vai sediar o mais importante seminário sobre a revitalização dos rios maranhenses

A preservação da Bacia do Itapecuru será a pauta principal do seminário que ocorrerá no próximo dia 07 de julho, das 8:00h às 12:30h, no auditório da escola São José, em Caxias- MA. Com o tema ”Revitalização dos Rios Maranhenses e Suas Nascentes”, o evento vai reunir profissionais que são referências na área de sustentabilidade ambiental, para discutir e buscar alternativas para a recuperação do rio Itapecuru.

O seminário é uma realização do Instituto Cidade Solidária e do senador Roberto Rocha (PSB), com co-realização do MEA- Movimento Ensinando e Aprendendo.

A cerimônia de abertura está marcada para as 8:00h, e contará com a presença do senador Roberto Rocha e de outras lideranças políticas do estado

Na oportunidade, a chefe da Unidade Regional de Meio Ambiente da CODEVASF- MA, Éricka Cunha, irá apresentar o planejamento da Companhia para a Bacia Hidrográfica do Itapecuru. A programação terá mesa redonda com o tema “Bacia do Itapecuru – Sua Importância e Propostas para Sua Revitalização”. Os ministradores serão Arthur Almada Lima, presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Caxias e Carlos Benedito Maciel, coordenador do Comitê da Bacia do Itapecuru.

Serviço:

Evento: Seminário Revitalização dos Rios Maranhenses e Suas Nascentes.

Data: 07 de julho de 2017, das 8:00h as 12:30h.

Local: Auditório da escola São José, localizado na Praça do Pantheon, 03, Centro de Caxias-MA.

São José de Ribamar: Denúncia faz Luís Fernando cancelar mais um seletivo

O prefeito de São José de Ribamar, Luís Fernando Moura da Silva (PSDB), não anda com muita sorte. Denúncias do Blog Ribamais e de Guilherme Mulato, levaram o prefeito a cancelar, pela segunda vez, seletivo para contratação temporária de servidores.

O primeiro caso, que também foi alvo de denuncias de Guilherme Mulato, foi do Certame da Cultura, que deveria contratar 52 funcionários temporários, com salários de até R$ 2.400,00, e após denúncias de suspeita de irregularidades, levaram o prefeito de São José de Ribamar, a cancelar o edital, o que causou muita indignação aos ribamarenses. ( Relembre em: Vergonhoso! Após denúncias, Luís Fernando cancela seletivo com supostas cartas marcadas )

 “Mostramos em nossa primeira denúncia, com muita responsabilidade, a suspeita de que o prefeito Luís Fernando tinha por objetivo contratar servidores através de um edital cheio de irregularidades e com indícios de cartas marcadas, o que demonstrava má fé e total falta de respeito com o ribamarense. Com o cancelamento do primeiro edital, quem ganhou foi o povo, que hoje conta com uma oposição forte, responsável e comprometida.” Afirmou Guilherme Mulato

Desta vez, Luís Fernando passou pela segunda vergonha consecutiva, e, um dia após iniciada a inscrição do seletivo para contratação de professores temporários, as denúncias de Guilherme Mulato levaram o prefeito a tomar a decisão de cancelar mais um seletivo.

“Detectamos diversas irregularidades que demonstravam claramente o desrespeito do prefeito com o povo ribamarense, e esse segundo cancelamento, mostra que mais uma vez estamos certos e a administração comandada por Luís Fernando, que tanto planejou e nada executa, completamente errada.” Destacou Mulato.

Gato por lebre

A nova administração do prefeito Luís Fernando tem decepcionado muita gente que esperava um gestor preparado, devido às dezenas de seminários intitulados Planeja, entre eles, um voltado para a Educação. Porém, vem demonstrando que os seminários de pré-campanha serviram apenas para satisfazer o seu próprio ego, e iniciar a corrida para retornar ao comando da prefeitura.

Ao longo dos primeiros seis meses de gestão, Luís Fernando acumula queda em sua popularidade em todos os setores, o que agravou ainda mais com os cancelamentos dos seletivos e com a programação junina. Mas isso é assunto para outra postagem…

Vereadores aprovam atualização total do Regimento Interno da Câmara Municipal de Codó

Nesta segunda-feira (26) o parlamento codoense deliberou e aprovou importantes Indicações, Projetos de Lei e o Projeto de Resolução Nº04/17, que dispõe sobre a total alteração e atualização Regimento Interno da Câmara Municipal de Codó. No primeiro momento, durante a 18ª Sessão Ordinária do ano, os edis votaram e aprovaram as indicações que vão do número 171 à 187. Também foi votado em primeiro turno o Projeto de Resolução Nº04/17.

Dentre as importantes Indicações aprovadas estavam as de Nº 171 e 172\17, do vereador Pedro Santos, que solicita a poder público a operação tapa buracos na Rua da Estrela ,localizado no Bairro São Pedro e a operação tapa buraco e limpeza dos canteiros da Avenida Marechal Castelo Branco, localizada no Bairro São Pedro. O vereador Pastor Max também viu serem aprovadas as indicações de número 173 até a 176\17, que tratam de melhorias para a cidade nas áreas da infraestrutura e educação no campo.

Com a Indicação de Nº183/17, o vereador Rodrigo Figueiredo solicitou ao Executivo que realize urgentemente a reabertura do Restaurante Popular. O vereador Valdeck Frota solicitou a Secretária Municipal de Saúde, para que dentro das condições do município, contratem médicos especialistas nas seguintes áreas: de Oftalmologia, gastroenterologista e Neurologista, pela Indicação Nº184/17. E pela Indicação Nº187/17 Valdeck pediu que fosse solicitado ao Secretário Municipal de Agricultura Pecuária e Abastecimento, Sr. Araújo Neto, a necessidade de proceder com urgência a perfuração de um poço artesiano na comunidade Riacho Seco, localizado na BR 316.

Outra Indicação que ganhou destaque foi a do vereador André Jansen (Nº185/17) que slicita ao Executivo a realização de estudos para a implantação de semáforo e faixa de pedestres na Avenida Cristóvão Colombo com a Rua Marcos Rocha, Trizidela, e no cruzamento da Rua Santa Catarina com a Rua 24 de Agosto Bairro, Santa Filomena. A solicitação de um semáforo e faixa de pedestre se faz necessário devido ao fluxo intenso nas Ruas supracitadas.

A 5ª Sessão Extraordinária

Após o encerramento da Sessão Ordinária, o Presidente da Câmara, vereador Expedito Carneiro, abriu a 5ª Sessão Extraordinária para a deliberação de dois Projetos de Lei que nomeia Nossa Senhora de Lourdes o Centro de Parto Normal do Hospital Geral Municipal e Homero Heberth Ramos de Oliveira a Quadra Poliesportiva, localizada no bairro Vereda, respectivamente, além da votação, em segundo turno, do Projeto de Resolução Nº04/17, que dispõe sobre a total alteração e atualização Regimento Interno da Câmara Municipal de Codó.

“Estamos vivendo um momento único, pois há tempos nosso Regimento Interno necessitava de atualização. Com nossa filiação a ABRACAM recebemos a consultoria adequada para realizar a total modificação, que será adaptada ao número de vereadores, a atual legislação brasileira. Reunimos-nos em dois dias, analisando artigo por artigo e agora votamos em dois turnos. Algumas mudanças em destaque são: aumento do número das Comissões Permanentes e a mudança de dia das sessões para as terças-feiras.”, explicou o presidente.

A verdade bíblica sobre as festas juninas

As festas juninas estão por toda a parte na cidade e estendem até mesmo pelo mês de julho. Mas por que os evangélicos não participam dessa festa? De onde vem essa tradição que ganhou força no Brasil?

A tradição de celebrar o mês de junho é bem antiga. Há mais de dois mil anos, os povos antigos da Europa já festejavam, no mês de junho, o início das colheitas. Fogueiras, danças e muita comida sempre fizeram parte destes rituais pagãos.

No Brasil, a data é celebrada desde 1583. O costume foi trazido pelos portugueses e espanhóis, ainda como uma forma de agradecer pelas colheitas, mas também como uma maneira de homenagear os santos do mês de junho. A comemoração da safra acontecia com cantos, danças, fogos e comidas, integrando a religiosidade e a festividade, a devoção e a distração. Aos poucos, outros elementos foram sendo introduzidos nas festas juninas. A quadrilha, por exemplo, chegou ao Brasil no século 19, trazida pela corte portuguesa.

Hoje, os festejos juninos acontecem em todo o país, com forró, arraiais, fogueiras, fogos, quadrilhas e comidas típicas. Na região Nordeste do Brasil essa festa é muito mais arraigada se comparada às de Brasília, por exemplo.

As festas juninas mais famosas do Brasil acontecem em Caruaru, Pernambuco; Campina Grande, na Paraíba; Mossoró, no Rio Grande do Norte; Juazeiro do Norte, no Ceará; e em Cametá, no Pará. A festa de Caruaru está registrada no Guinness Book, categoria festa country (regional) ao ar livre.

Conheça os santos festejados

Os santos comemorados durante o mês de junho são:

Santo Antônio, celebrado no dia 13;

São João, no dia 24;

São Pedro, no dia 29.

Entenda os símbolos da festa junina

A roupa – Sempre muito coloridas, imitam os caipiras que são os matutos que vivem na roça.

Arraial – Também chamado na linguagem matuta de arraiá, é um largo espaço ao ar livre, cercado ou não e onde barracas, ddecorado com bandeirinhas de papel colorido, balões e palha de coqueiro.

Fogueira – A fogueira simboliza a proteção dos maus espíritos, que atrapalhavam a prosperidade das plantações. A festa realizada em volta da fogueira é para agradecer pelas fartas colheitas. Além disso, como a festa é realizada num mês frio, serve para aquecer. Cada santo tem uma fogueira, sendo a quadrada de santo Antonio, a redonda de São João e a triangular de São Pedro. A fogueira ainda possui outro significado. Para os cristãos, a fogueira está relacionada ao nascimento de São João Batista. Contam os católicos que Santa Isabel acendeu uma fogueira para avisar à Maria, mãe de Jesus, do nascimento de seu filho, João Batista, no dia 24 de junho. Para os pagãos, a fogueira espanta os maus espíritos.

Balões e fogos de artifício – Segundo a tradição popular, servem para despertar São João Batista. Também é comum as crianças soltarem bombas como buscapé e espada de fogo.

Mastro de São João – É erguido durante para celebrar os três santos ligados aos festejos. No Brasil, no topo de cada mastro são amarradas três bandeirinhas simbolizando os santos.

A quadrilha – Tem o seu nome de uma dança de salão francesa para quatro pares, a “quadrille”. Veio para o Brasil seguindo o interesse da classe média e das elites portuguesas e brasileiras do século XIX porque, por aqui, interessava tudo que fosse a última moda de Paris.

Ao longo do século XIX, a quadrilha se popularizou no Brasil e se fundiu com danças brasileiras pré-existentes e teve subsequentes evoluções. Aqui ganhou areas rurais. Por isso os participantes da quadrilha vestem-se de matuto ou à caipira. Dançam em pares. Tem ainda a figura do noivo e da noiva, já que a quadrilha encena um casamento fictício.

O casamento caipira – Faz uma sátira aos casamentos tradicionais, além de banalizar o sentido do mesmo. A noiva está grávida e o pai dela obriga o rapaz a se casar. Na apresentação do casamento, na roça, o noivo aparece bêbado, tentando fugir do altar por várias vezes, sendo capturado pelo pai da noiva que lhe aponta uma espingarda. Este conta com o apoio do delegado da cidade e do padre para que o casamento seja realizado. Após a cerimônia, os noivos puxam a quadrilha.

Músicas – No Brasil a festa ganhou ritmos bem nacionais como o forró, baião, xote, samba-de-coco e as cantigas.

Simpatias – As pessoas que participam podem fazer simpatias e promessas para os santos. As promessas para se casar são as mais frequentes, uma vez que o santo casamenteiro é celebrado na festa.

Uma simpatias muito comum é: moças solteiras que querem casar colocam um figurino do santo de cabeça para baixo atrás da porta ou dentro do poço ou enterram-no até o pescoço. Fazem o pedido e, enquanto não são atendidas, lá fica a imagem de cabeça para baixo.

No dia 13 de junho, é comum ir à igreja para receber o pãozinho de Santo Antônio, que é dado gratuitamente pelos frades. Em troca, os fiéis costumam deixar ofertas. O pão, que é bento, deve ser deixado junto aos demais mantimentos para que esses não faltem jamais.

A lavagem dos santos – É o momento em que as suas bandeiras são mergulhadas em água, para trazer purificação. As bandeirolas representam as bandeiras dos santos, levando purificação a todo o local da festa.

O pau de sebo – É uma brincadeira com o objetivo de se ganhar uma quantia em dinheiro, que está afixada em seu topo. As pessoas têm que subir no mastro, lambuzado de gordura. Muitas vezes, os participantes vão subindo nos ombros uns dos outros, até conseguirem pegar o prêmio, que acaba servindo para pagar parte de suas despesas na festa.

A pesquisa sobre os símbolos da festa junina foram realizadas nos sites:

http://www.brasilescola.com/datacomemorativas/festa-junina.htm

http://pessoas.hsw.uol.com.br/festas-juninas4.htm

As festas juninas e a igreja

Os evangélicos não concordam e não participam das festas juninas porque, na verdade, essa é uma celebração a santos. As comidas e as danças, longe de ser apenas uma diversão, são oferecidas a eles.

A festa junina não é cultural, puramente falando. Mas é religiosa, associada ao culto de santos, como os acima citados. Onde um crente protestante poderia coadunar com isso? Ir a uma paróquia participar é meio contraditório. Se for assim, os evangélicos poderiam participar de todo ritual religioso professado no Brasil como ritos de umbanda e candomblé, orientais e outros que também oferecem a deuses e guias comidas e festas. É claro que nenhum evangélico participaria dessa festa com a intenção de praticar a idolatria. Mas tal procedimento, por si só, é condenado pela Bíblia.

A Bíblia é muito clara em relação à idolatria e à exortação a não cultuarmos outros deuses. Para saber mais sobre esses assuntos, leia 1 Sm. 15: 23; At. 17:16; 1 Co. 01:14; e Gl. 5:20. Sobre comida sacrificada aos ídolos, leia At. 15:20; Rm. 14:15-21; 1 Co. 8;10:25-33.

Depoimentos dos pastores

Os evangélicos devem participar das festas juninas?

“A festa junina não é cultural, puramente falando, mas, sim, da cultura religiosa, e da religião cristã católica, associada ao culto de santos, como santo Antônio e outros. Onde um crente protestante poderia coadunar com isso? Quer pamonha, curau, milho verde, cachorro quente? Faz em casa e reúne os amigos. Mas ir a uma paróquia participar é meio contraditório. Se for assim, vamos participar de todo ritual religioso professado no Brasil como ritos de umbanda e candomblé, orientais e outros que também oferecem a deuses e guias comidas e festas.”

Pr. Ricardo Espindola, vice-presidente da Igreja Batista Central de Brasília

“As festas juninas, aparentemente inofensivas, enquadram-se na mesma categoria das outras festas pagãs. A festa junina tem sido uma grande arma na mão do maligno e, por meio dessa arma, tem conseguido atingir milhares de famílias “cristãs”. Aproveito a oportunidade e faço um apelo aos pais, para que evitem que os filhos participarem dessas comemorações promovidas pelos colégios, associações ou outras entidades. Já basta de tantos enganos. Fechemos as portas para essa demônio que sutilmente tem achado brecha nas nossas vidas. A Bíblia diz: “portanto, quer comais ou bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus” (1 Cor. 10:31). Tudo que fazemos deve glorificar o nome do Senhor. As festas juninas e suas comidas dedicadas ao santo, não glorificam o nome do Senhor. …”Isto é coisa sacrificada a ídolo, não comais (1 Cor. 10:28). A Bíblia ainda diz, em Provérbios 27:20: “O inferno e a perdição nunca se fartam, e os olhos do homem nunca se satisfazem”. Também sabemos que “um abismo chama outro abismo”, como narra o Salmos 42:7.”

Pr. Édio Valença

“A Igreja cristã, a partir do primeiro século, permitiu a miscigenação da cultura pagã com o cristianismo puramente apostólico. O que foi tão durante defendido pela comunidade cristã primitiva logo se perdeu, e a Igreja tornou-se permissiva com as práticas pagãs trazidas pelos novos convertidos gentílicos, que não abandonaram totalmente os hábitos antigos, até que foram oficializadas pelo Império Romano, passando a fazer parte da cultura cristã, recebendo estas festas novos nomes, e assimiladas posteriormente como se fossem puramente cristãs. Com o advento da Reforma Protestante, buscou-se purificar a Igreja dessas e de outras práticas não recepcionadas pelos primeiros cristãos. Entretanto, a Igreja Evangélica, outrora defensora ferrenha da não-contaminação com ídolos e que nunca acolheu costumes reprovados pela Bíblia, foi lentamente infiltrada com o sentimento de banalidade, ao entendimento de que não se está fazendo nada de errado ao participar de uma festa que tem como fundo um culto religioso. Para preservar a liberdade que cada crente deve ter para reger sua vida à luz dos princípios da Bíblia, mas com vistas também a preservar a autoridade da Igreja, que tradicionalmente rejeita os movimentos sincréticos entre seus membros, já que, na melhor das hipóteses, é um culto a um santo (já ignorando a origem pagã da festa), poderia resumir dizendo, como o texto bíblico, “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas (I Co. 6:12).”

Pra. Noêmia Paim

Fonte: IBCB

Prefeito e autoridades se mobilizam junto a sociedade na culminância da Semana Sem Drogas em Codó

Nesta segunda-feira (26) o prefeito de Codó, Francisco Nagib, juntamente com o Diretor Municipal para Juventude, Valdeci Calisto, vereadores, conselheiros tutelares e outras autoridades municipais, realizou mobilização junto à população codoense na Praça Ferreira Bayma. O encontro foi para promover a culminância da Semana Sem Drogas, realizada entre os dias 19 e 26 de junho no município.

De acordo com o vereador Pastor Max, a promoção da Semana Sem Drogas em Codó tem o objetivo de sensibilizar e mobilizar a sociedade em relação ao alto índice de consumo abusivo de drogas (lícitas e ilícitas). “Essa mobilização tem a finalidade de contribuir com a transformação dessa triste realidade, através de uma campanha com foco, sobretudo nos jovens, a fim de que estes possam ser agentes multiplicadores dessa luta profética contra as drogas em nosso município”. Explicou o parlamentar.

O evento, que é uma parceria da Prefeitura de Codó, Secretarias de Desenvolvimento Social, de Saúde e de Educação, Conselho Municipal Antidrogas, CRAS, Conselho Tutelar e entidades da sociedade civil, acontece simultaneamente em todo Brasil. Várias entidades participantes do sistema antidrogas em Codó mobilizaram a sociedade e realizaram uma caminhada, que passou pela Av. Augusto Teixeira e se encerrou na Praça Ferreira Bayma.

O prefeito Nagib, que sempre foi um defensor de campanhas de combate as drogas em Codó, destacou a participação de todos. “Esta é uma temática muito séria e que preocupa a todos, os malefícios do uso e abuso de drogas lícitas e ilícitas. Durante a semana aqui em Codó aconteceram várias atividades sócio educativas e religiosas, como missas, mesa redonda, palestras em escolas, campanha na mídia, tudo com foco na problemática das drogas, procurando sensibilizar a sociedade civil e Poder Público. Precisamos estar sempre alertas e realizando constantes ações, nas escolas, nas ruas, igrejas e outras instituições”, alertou.

Sabendo mais

Semana Nacional Antidrogas surgiu em 1999, em comemoração ao primeiro aniversário da SENAD – SECRETARIA NACIONAL ANTIDROGAS, criada em 19 de Junho de 1998. Essa Semana tem por objetivo principal a conscientização e a mobilização da sociedade brasileira, no que diz respeito aos problemas e às atividades de redução da demanda e oferta das drogas.

ASCOM